Skip to Main Navigation

Guiné-Bissau Aspectos gerais

A Guiné-Bissau é um dos países mais pobres e mais frágeis do mundo. Faz fronteira a norte com o Senegal, a sul com a Guiné, e a sua costa Atlântica é composta pelo Arquipélago dos Bijagós, com cerca de 88 ilhas. Apesar de ser um país pequeno, com uma população de cerca de 1.9 milhões de pessoas, a Guiné-Bissau tem uma grande variedade de grupos étnicos, línguas e religiões.

Contexto Político

A Guiné-Bissau tem um historial de fragilidade política e institucional desde a sua independência de Portugal, em 1974. É um dos países do mundo com maior instabilidade política e mais propensos a golpes de Estado. Desde a independência, foram registados 4 golpes de Estado e 17 tentativas de golpe. Alguns progressos foram feitos com o antigo Presidente, José Mário Vaz, que foi o primeiro a completar o seu mandato desde a independência. Às eleições presidenciais de 2019 seguiu-se uma crise política que terminou em abril de 2020 com o reconhecimento por parte da CEDEAO de Umaro Sissoco Embaló como Presidente da República. Em junho de 2023 tiveram lugar eleições legislativas antecipadas. As eleições presidenciais terão lugar no final de 2025.

Contexto Económico

O crescimento económico real abrandou para 3.5% em 2022, contra 6.4% em 2021. Isto foi impulsionado por perturbações na cadeia de abastecimento e pela redução da procura e da atividade económica, causadas por medidas e políticas de contenção da pandemia. A inflação aumentou de 3,3% para 7,8% em 2021. O défice fiscal global diminuiu de 5,5% do PIB em 2021 para 5,2% em 2022. As receitas fiscais permaneceram as mesmas em 9,1%, o que equivale a um rácio salários/receitas fiscais de aproximadamente 65,3%. Do lado da despesa, a despesa governamental total diminuiu ligeiramente de 24,5% do PIB em 2021 para 23,3% em 2022. Como resultado, a dívida pública atingiu 80,2%.

A previsão é de que o crescimento real do PIB caia para 2,8% (0,7% em termos per capita) em 2023, como resultado de fraca procura internacional de caju e exportações.  Apesar da forte produção interna, o contrabando significa um fraco desempenho das exportações de caju, o que, juntamente com as despesas orçamentais excessivas, aumentará o défice orçamental para 9,6%. Prevê-se que a dívida diminua para 83,1% do PIB e que a inflação aumente para 8,6%.

As previsões estão sujeitas a riscos que podem resultar de pressões inflacionistas contínuas, choques no setor do caju, instabilidade política, riscos fiscais e choques climáticos. Os riscos associados à instabilidade bancária e ao setor das empresas públicas também continuam a ser uma ameaça à estabilidade macrofinanceira. 

A redução do espaço orçamental deixa menos recursos para despesas públicas a favor dos mais pobres. Fazer face à elevada desigualdade no país exige também esforços para melhorar a prestação de serviços e melhorar o acesso aos serviços básicos. Contudo, acelerar ou mesmo manter a redução da pobreza será difícil se os grandes desafios de desenvolvimento que limitam o crescimento, a inclusão e a sustentabilidade não forem abordados.

Última atualização: 28 de setembro de 2023

EMPRÉSTIMO

Guiné-Bissau: Compromissos por ano fiscal (em milhões de US$)*

*Os montantes incluem compromissos do BIRD e da AID
Image
GALERIA DE FOTOS
Mais Fotos

EM PROFUNDIDADE

Recursos adicionais

Contatos do escritório nacional

Guine-Bissau
Anne-Lucie Lefebvre
Representante residente
Banco Mundial - Penha Building
Bairro da Penha,
Bissau
Guinea-Bissau
Para informações gerais
Joana Filipa Dos Santos Rodrigues
+245 96 640 1728
Para questões e reclamações relacionadas aos projectos