COMUNICADO À IMPRENSA

Banco Mundial Injeta US $ 47 Milhões para Combater o Desflorestamento em Moçambique

7 de Março de 2017


WASHINGTON, 7 de Março de 2017 – O Banco Mundial aprovou hoje US$ 47 milhões (Do montante total de US $ 47,3 milhões, US $ 15 milhões é um crédito da Associação Internacional de Desenvolvimento (IDA); US $ 13,2 milhões é um empréstimo do Fundo Estratégico para o Clima; US $ 8,8 milhões é uma doação do Fundo Estratégico para o Clima e US $ 10 milhões é uma doação do Fundo Multi-Doadores para Florestas Integradas e Gestão da Paisagem em Moçambique) para apoiar o Projecto de Investimento Florestal do Governo de Moçambique (MozFIP). O projeto é parte de um esforço para conter o rápido ritmo de desflorestamento no país e criar novas oportunidades de subsistência para as comunidades rurais através de melhores práticas de maneio florestal e da terra em paisagens específicas em Moçambique.

Moçambique é ricamente dotado de recursos naturais, incluindo 40 milhões de hectares de florestas naturais, das quais, quase 27 milhões de hectares são florestas produtivas, tendo contribuído com mais de US$ 300 milhões para o PIB do país em anos recentes. Apesar do seu enorme potencial, as florestas naturais do país estão a ser rapidamente destruídas a uma taxa anual de 0,35% ao ano, representando uma perda anual de quase 140 mil hectares.

"A ameaça que a atual taxa de desflorestação no país representa para os meios de subsistência rurais, os habitats da vida selvagem e da biodiversidade, bem como as emissões significativas de gases com efeito de estufa geradas pelo desflorestamento fazem todos os objetivos deste projeto extremamente importantes", disse Mark Lundell, Diretor do Banco Mundial para Moçambique, Madagáscar, Maurícias, Seicheles e Comoros.

O financiamento do projeto incidirá na gestão integrada da paisagem e na criação de condições propícias à gestão sustentável das florestas. Alguns dos principais resultados esperados incluem a redução das emissões líquidas de gases de efeito estufa resultantes do desmatamento; Aumento do número de hectares de recursos naturais protegidos e restaurados; Melhoria da governança florestal; Aumento do acesso ao financiamento para a agricultura e os participantes da produção florestal; E aumento do número de agregados familiares rurais com acesso a certificados de terras.

"A abordagem de maneio integrado da paisagem do projeto (que inclui atividades em setores como florestal, agricultura e energia) aborda os principais fatores de desflorestamento em duas paisagens que sofrem um rápido desmatamento e com altos níveis de pobreza rural: o Parque Nacional de Quirimbas e a Reserva Nacional de Gile," disse Andre Aquino, líder da equipe do projeto"O projeto visa isso promovendo o manejo florestal comunitário, a agro-silvicultura, a produção sustentável de carvão e o reflorestamento para restaurar áreas degradadas".

Este projeto foi desenvolvido em estreita colaboração com as autoridades do governo local e central, comunidades locais, setor privado e sociedade civil. O projecto beneficiará a 163 mil famílias nos distritos das províncias da Zambezia e Cabo Delgado. Aproximadamente 3.300 pequenos e médios proprietários de terras que trabalham em florestas de madeira, não-madeireiras, carvão vegetal e atividades agrícolas receberão apoio na preparação de planos de gestão e de negócios, treinamento em tecnologias e técnicas melhoradas de uso da terra e de processamento de produtos. Outros beneficiários diretos incluem instituições governamentais importantes a nível nacional e de direção, designadamente do Ministério da Terra, do Ambiente e do Desenvolvimento Rural (MITADER) e do Ministério da Agricultura e da Segurança Alimentar (MASA).

Contatos com a mídia:
Em Maputo
Rafael Saute
tel : (+258) 21482300
rsaute@worldbank.org
Em Washington
Ekaterina Svirina
tel : (202) 458-1042
esvirina@worldbank.org


COMUNICADO À IMPRENSA Nº
2017/071/AFR

Api
Api