COMUNICADO À IMPRENSA

Mostra 1 em 3 – O que é Preciso para Você se Indignar? chega ao Brasil

17 de março de 2015

Image

As obras estarão expostas até 30 de abril no Salão Branco do Senado Federal

Mariana Kaipper Ceratti / Banco Mundial

BRASÍLIA, 17 de Março de 2015  – Uma em cada três mulheres em todo o mundo, ou cerca de  800 milhões, vão apanhar, serão forçadas a ter relações sexuais ou sofrer qualquer outra forma de abuso ao longo de suas vidas, de acordo com o levantamento realizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em 2012. Para chamar atenção sobre essa questão universal, o Banco Mundial, em parceria com a Câmara dos Deputados e o Senado Federal, traz ao Brasil a mostra de arte multimídia “1 em 3 - O que é preciso para você se indignar?”, cuja cerimônia ocorreu nesta terça-feira, às 11h, no Salão Branco do Senado Federal.

A mostra aborda vários aspectos da violência contra a mulher: desde agressão por parte de um parceiro, violência doméstica, tráfico humano, violência sexual em conflitos armados a formas mais perversas de violência emocional e psicológica. O forte impacto emocional das peças tem como apoio dados levantados pelos mais recentes trabalhos sobre violência devido ao gênero. A natureza complexa e global da questão é enfatizada pela variedade de peças de arte produzidas por artistas emergentes de todas as regiões do planeta.

O Grupo Banco Mundial (GBM) tem um papel crucial no que diz respeito à questão de gênero. Não apenas porque a violência doméstica é moralmente condenável, mas também porque se trata de uma das mais pervesas violações dos direitos humanos. A missão do Banco Mundial de erradicar a pobreza e promover a prosperidade compartilhada é impossível de ser alcançada quando um pouco mais que metade da humanidade não pode produzir ou usufruir dos frutos do trabalho porque seus direitos humanos básicos lhe são negados. O empoderamento social e econômico, um pré-requisito básico para sair da pobreza, continuará sendo uma utopia enquanto o bem-estar das mulheres for ameaçado pela violência doméstica, estupro, ataques com ácido, casamentos forçados ou de crianças, mortes por honra e pelo tráfico sexual.

Estimativas conservadoras sobre perda de produtividade associada à violência devido a gênero variam desde 1.2% do PIB no Brasil e na Tanzânia a 2% no Chile – praticamente o que a maior parte dos países investem em educação primária. Um estudo mostra que o custo total associado à violência doméstica no Reino Unido, incluindo a redução do bem-estar, equivale a 10% do PIB. Esses números não incluem gastos associados ao impacto emocional de longo prazo e consequências na segunda geração.

O Grupo Banco Mundial está trabalhando com governos, a sociedade civil de seus países-membros e outros parceiros de desenvolvimento para garantir que cada cidadão – homem ou mulher – possa viver livre da violência ou do medo. No âmbito da sociedade civil, a comunidade artística representa um importante papel na conscientização sobre temas sociais chave, incluindo a violência devido ao gênero, e na promoção de mudança de comportamento. 


Contatos com a mídia:
Em Brasília
Candyce Rocha
tel : (61) 3329-1059
crocha@worldbank.org
Em Brasília
Juliana Braga
tel : (61) 3329-1099
jbraga@worldbank.org


Api
Api