REPORTAGEM

Com gerenciamento de desastres, Brasil poderia economizar bilhões de reais

19 de novembro de 2012


Image

Em 2010, as enchentes prejudicaram 1 milhão de pessoas em Alagoas e Pernambuco.

Antônio Cruz/ABr.

DESTAQUES DO ARTIGO
  • Tragédias naturais ocorridas entre 2008 e 2011 custaram R$ 15 bilhões a quatro estados brasileiros, segundo estudos do Banco Mundial.
  • O setor de habitação foi o mais afetado pelos desastres. Houve também impactos na infraestrutura, na saúde, na agricultura, na educação e no comércio.
  • O recente lançamento de um plano nacional de gerenciamento de riscos de desastres é considerado um avanço na prevenção de perdas e danos.

Santa Catarina, 2008: enchentes matam 110 pessoas e causam danos ao gasoduto Brasil-Bolívia. Alagoas e Pernambuco, 2010: a pior estação chuvosa em 20 anos afeta cerca de 1 milhão de pessoas em dois dos estados mais pobres do Brasil. Rio de Janeiro, 2011: aproximadamente mil pessoas morrem devido a inundações e deslizamentos de terra em sete cidades da Região Serrana.

Além de desmentir a lenda de que o Brasil é um país livre de tragédias naturais, os quatro acontecimentos mostram quão devastadores esses desastres podem ser para as economias locais. De acordo com uma recente avaliação, a primeira do tipo feita depois dessas catástrofes, as perdas foram de aproximadamente R$ 15 bilhões. 

Elaborados pelo Banco Mundial em parceria com governos estaduais e a Secretaria Nacional de Defesa Civil, os estudos – lançados na última semana, durante o evento Understanding Risk Brazil – mostram que o setor de habitação foi o mais afetado, com perdas de pelo menos R$ 7 bilhões.

Reconstrução cara

O impacto mais forte foi sentido pela população de baixa renda, que vivia em encostas, cabeceiras de rios e outras áreas vulneráveis.

Quando os desastres ocorreram, os governos locais liberaram verbas para ajudar as vítimas e financiaram a reconstrução de casas. Tudo isso pesa nos cofres públicos, segundo os estudos. “Em Santa Catarina, por exemplo, perdas e danos públicos devido às enchentes foram equivalentes a quase metade das despesas de pessoal no estado em 2008”, comenta a economista Fernanda Senra de Moura, uma das autoras.

O trabalho também avaliou as consequências para a infraestrutura, a educação, a saúde, a agricultura e o comércio. No estado do Rio de Janeiro, por exemplo, a reconstrução de estradas consumiu R$ 620 milhões. Tais danos à infraestrutura de transportes interromperam uma série de atividades econômicas, causando prejuízos difíceis de medir.


" Em Santa Catarina, por exemplo, as perdas e os danos públicos devido às enchentes foram equivalentes a quase metade das despesas de pessoal no estado em 2008.  "

Fernanda Senra de Moura

Economista

Mudança cultural

Como os pesquisadores trabalharam apenas com as informações disponíveis à época do estudo, eles acreditam que as perdas possam ser ainda maiores. Essa limitação, no entanto, não prejudica a confiabilidade dos estudos.

Agora, eles esperam que os dados relativos ao impacto econômico das tragédias deem origem a uma mudança cultural. “O gerenciamento do risco de desastres é um tema que só recentemente ganhou visibilidade no Brasil. Criar medidas preventivas exige planejamento urbano e financeiro, além de um compromisso de longo prazo”, avalia Frederico Pedroso, consultor do Banco Mundial para esse tema.

O primeiro passo rumo à implementação de políticas sólidas nesse setor foi tomado em agosto, quando o governo brasileiro lançou o Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais (2012-2014). Dos R$ 18,8 bilhões a serem investidos, 83% vão financiar obras capazes de prevenir e/ou diminuir os efeitos das catástrofes.



Api
Api