COMUNICADO À IMPRENSA 11 de outubro de 2017

Recuperação Modesta do Crescimento na África Subsariana

WASHINGTON, 11 de Outubro de 2017 ‒ O crescimento económico na África Subsariana está a recuperar a um ritmo moderado e prevê-se que acelere para 2,4% em 2017 face a 1,3% em 2016, de acordo com a nova edição do Africa’s Pulse, uma análise semestral da situação das economias, conduzida pelo Banco Mundial. Este valor está abaixo da previsão de Abril de 2,6%.

Essa recuperação é liderada pelas maiores economias da região. No segundo trimestre deste ano, a Nigéria saiu de uma recessão que durava a cinco trimestres e a África do Sul emergiu de dois trimestres consecutivos de crescimento negativo. Melhorias nas condições globais, incluindo o aumento dos preços de energia e metais e o aumento das entradas de capital, ajudaram a apoiar a recuperação do crescimento regional. No entanto, o relatório avisa que o ritmo da recuperação permanece lento e será insuficiente para aumentar a renda per capita em 2017.

O crescimento continua a ser de múltiplas velocidades na região. Em países não dependentes de recursos, como a Etiópia e o Senegal, o crescimento permanece amplamente estável, apoiado por investimentos em infraestrutura e aumento da produção agrícola. Nos países exportadores de metais, o aumento da produção e do investimento no setor de mineração, no contexto de aumento dos preços dos metais, permitiu uma recuperação da atividade.

A inflação global desacelerou em toda a região em 2017 graças a taxas de câmbio estáveis e ao abrandamento da inflação dos preços dos produtos alimentares. Os défices orçamentais diminuíram, mas continuam a ser altos, uma vez que as medidas de ajustamento orçamental permanecem parciais. Como resultado, a dívida pública mantém-se elevada. São necessários esforços adicionais, em toda a região, para dar resposta à queda das receitas e controlar as despesas com vista a melhorar os saldos orçamentais.

"A maioria dos países não tem um espaço de alívio significativo quando se trata de ter espaço fiscal suficiente para lidar com a volatilidade econômica. É imperativo que os países adotem políticas fiscais adequadas e medidas estruturais agora para fortalecer a resiliência econômica, aumentar a produtividade, aumentar o investimento e promover a diversificação econômica ", observa Albert Zeufack, economista-chefe para Africa do Banco Mundial.

Em termos de futuro, a África Subsariana deverá registar um aumento ligeiro na actividade económica, com o crescimento a subir para 3,2% em 2018 e 3,5% em 2019, à medida que se consolidam os preços das matérias-primas e a procura interna gradualmente ganha terreno, ajudado por uma inflação em queda e a flexibilização da política monetária. Contudo, as perspectivas de crescimento vão manter-se fracas nos países da Comunidade Económica e Monetária da África Central (CEMAC) ao tentarem ajustar-se aos baixos preços do petróleo.

Prevê-se que a expansão económica na União Económica e Monetária da África Ocidental (UEMOA) prossiga a um ritmo acelerado em resultado de um crescimento sólido do investimento público, embora os preços baixos do cacau possam afectar o crescimento na Costa do Marfim. Entre os países da Comunidade da África Oriental (CAO), é provável que a Etiópia permaneça a economia com o crescimento mais rápido, embora se espere uma desaceleração do investimento público. Projecta-se uma recuperação do crescimento no Quénia, com o abrandamento da inflação e, na Tanzânia, um crescimento firme fruto da retoma do investimento.

Espera-se que a expansão econômica nos países da União Econômica e Monetária da África Ocidental (UEMOA) continue em forte crescimento devido ao forte crescimento do investimento público, liderado pela Côte d'Ivoire e pelo Senegal. Por outro lado, espera-se que o crescimento se estabeleça na Tanzânia com uma recuperação do crescimento do investimento e recuperação no Quênia, com o alivio da inflação. É provável que a Etiópia continue a ser a economia de crescimento mais rápido na região, embora o investimento público tende a relentar.

“A perspectiva para a região continua a ser desafiadora, uma vez que o crescimento económico continuará bem abaixo da média registada antes da crise”, diz Punam Chuhan-Pole, Economista Principal do Banco Mundial e autor principal do relatório. "Além disso, o ritmo de crescimento moderado só produzirá ganhos lentos na renda per capita que não serão suficientes para aproveitar a prosperidade ampla e acelerar a redução da pobreza".

A análise mostra que o aumento da acumulação de capital foi acompanhada pela queda da eficiência dos investimentos em países onde o crescimento econômico tem sido menos resiliente aos choques exógenos. Isso sugere que a ineficiência do investimento - que reflete habilidades insuficientes e outras capacidades para a adoção de novas tecnologias, políticas de distorção e desajuste de recursos, entre outras coisas - precisará ser reduzida se os países captarem plenamente os benefícios de investimentos maiores.

À medida que os países africanos buscam novos impulsionadores de um crescimento inclusivo e sustentado, a atenção à construção de habilidades está crescendo. O relatório Africa's Pulse dedica uma seção especial para analisar como os países africanos, através de investimentos mais inteligentes no desenvolvimento de habilidades fundamentais para crianças, jovens e adultos, podem aproveitar os gastos para alcançar melhores resultados de aprendizagem que simultaneamente aumentarão o crescimento da produtividade, a inclusão e a adaptabilidade da mão de obra de África para a demanda dos mercados de trabalho de hoje e do futuro.

Investir nas competências básicas de crianças, jovens e adultos é a estratégia mais eficaz para simultaneamente aumentar a produtividade, inclusão e adaptabilidade. Nestas circunstâncias, todos os países deveriam dar prioridade à criação de competências básicas universais para os trabalhadores de hoje e de amanhã.


COMUNICADO À IMPRENSA Nº 2018/032/AFR

Contactos

Washington
Daniella van Leggelo-Padilla
(202) 473-4989
dvanleggelo@worldbank.org
Api
Api
Welcome