REPORTAGEM

Cinco coisas que você não sabia sobre o Amazonas

2 de março de 2015


Image

Barco navega pelo Rio Negro, em Manaus

Mariana Kaipper Ceratti/Banco Mundial

Visto do alto, o estado do Amazonas exibe uma vastidão de floresta e rios por todos os lados. De fato, o maior estado brasileiro supera a soma dos territórios das regiões sul e sudeste do Brasil. E, observado de perto, também apresenta desafios colossais. Conheça-os a seguir.

1.       É um dos estados mais isolados do país

Com apenas 2,23 habitantes por quilômetro quadrado, o Amazonas é o estado com a segunda menor densidade demográfica do Brasil, depois de Roraima (também no norte). E mais: Manaus, a capital, é alcançável basicamente por via aérea ou barco (de carro, somente a partir de Roraima). Nesse cenário, é possível imaginar os desafios de fornecer serviços públicos de qualidade às populações que estão mais isoladas, inclusive nas áreas de segurança pública e proteção à mulher.

2.       Está se tornando um cenário de novas experiências no combate à violência contra a mulher 

“A secretaria executiva de politica para mulheres oferece treinamentos para diversos profissionais do Estado, tais como policiais, sobre a aplicacao da Lei Maria da Penha em Manaus e no interior. E, para enfrentar a questão do isolamento, o Estado presta serviços à mulher de formas inovadoras, por meio de unidades móveis, como barcos e ônibus”, destaca a economista Laura Zoratto, do Banco Mundial, que está à frente de um projeto para promover, entre outros temas, a igualdade de gênero no estado. A parceria, firmada com o estado em maio de 2014, apoia a expansão desses trabalhos.

É importante ressaltar que a taxa estadual de homicídios por 100 mil mulheres é uma das menores do Brasil, mas assusta quando se olham isoladamente os números da capital. Em 2010, Manaus apresentou o terceiro mais elevado índice de violência de gênero no País, com 11,5 mulheres assassinadas por 100 mil pessoas.

3.       Vai melhorar a arrecadação e o controle de gastos para prestar melhores serviços públicos

Além de promover os direitos da mulher no Amazonas, o projeto beneficiará a economia e a segurança pública como um todo. Com ele, o estado poderá implementar a Nota Fiscal Eletrônica do consumidor; reformar os procedimentos de licitações para que eles tenham mais transparência e eficiência; integrar os órgãos responsáveis pela segurança pública. 


Image

Policial usa mapa para pesquisar ocorrências de violência contra a mulher

Mariana Kaipper Ceratti / Banco Mundial

Image

Manaus concentra 25% dos amazonenses que vivem em extrema pobreza 

Mariana Kaipper Ceratti/Banco Mundial

4. É o quarto estado mais pobre do País

Oferecer melhores serviços públicos é ainda mais importante quando se leva em conta que, entre os 3,6 milhões de amazonenses, 16,8% vivem abaixo da linha de pobreza, e 7,1% estão em extrema pobreza (dados de 2013). Manaus, por sua vez, concentra um quarto da população amazonense em extrema pobreza e 48% da população em condição de vulnerabilidade.

5. Usará tecnologia e infraestrutura para melhorar a vida dos mais pobres

Para compensar o isolamento de seus municípios, o Amazonas criou em 2011 uma unidade de georreferenciamento para mapear o território e determinar os locais onde é mais necessário construir escolas e hospitais, por exemplo. Nos últimos três anos, o estado vem usando a mesma tecnologia para melhorar a segurança pública nos bairros de Manaus: a polícia tem acesso ao mapa pelo celular e, quando alguém faz uma denúncia ou um crime ocorre, é possível buscar mais facilmente o local.

Também em Manaus, uma futura parceria com o Banco Mundial buscará, entre outros objetivos, revitalizar o centro da cidade, aperfeiçoar o transporte público e a gestão do tráfego – beneficiando principalmente a população pobre, que mora em bairros mais distantes – e melhorar os indicadores da educação básica. Assim como está sendo feito com o governo do estado, o projeto ajudará o município a modernizar sua gestão financeira.

 


Api
Api