Learn how the World Bank Group is helping countries with COVID-19 (coronavirus). Find Out

Discursos e Transcrições

Discurso de Jim Yong Kim, Presidente do Grupo Banco Mundial, Conferência de Imprensa na Abertura das Reuniões da Primavera Setentrional de 2013, 18 de abril

18 de Abril de 2013


World Bank Group President Jim Yong Kim Spring Meetings 2013 Opening Press Conference Washington, DC, Estados Unidos

Conforme preparado para pronunciamento

Olá pessoal. Muito obrigado pela presença de todos os senhores nesta conferência de imprensa que abre as Reuniões da Primavera Setentrional de 2013 do Grupo Banco Mundial e FMI. Em primeiro lugar, permitam-me expressar novamente minhas profundas condolências às famílias e amigos das pessoas que morreram ou ficaram feridas no ataque em Boston no início desta semana.

Há duas semanas apresentei à comunidade global uma agenda ambiciosa que propunha uma dupla abordagem para um mundo livre de pobreza.

A primeira meta é praticamente pôr fim à pobreza extrema até 2030. A segunda é promover uma prosperidade compartilhada incentivando o aumento da renda dos 40% da população de todos os países que estão na faixa inferior. E para esta segunda meta também planejamos compartilhar a prosperidade entre as gerações e isso requer uma ação dinâmica em matéria de mudança climática.

Não abrigo dúvidas de que o mundo pode pôr fim à pobreza extrema em uma geração, mas isso será muito mais difícil do que muitos imaginam. Está longe de ser uma certeza. Serão necessários criatividade, foco, compromisso e líderes visionários. Mas se tivermos êxito, teremos alcançado uma das realizações mais históricas da humanidade.

Examinemos a situação do mundo de hoje.  Mais de quatro anos após o início da crise financeira, os países de renda alta continuam a lutar contra o alto nível de desemprego, baixo crescimento e fragilidade econômica.

A boa notícia é que, tomados como um todo, os países em desenvolvimento estão se saindo relativamente bem, prevendo-se um crescimento de cerca de 5,5% para este ano. Isso deverá solidificar-se em pouco abaixo de 6% até 2015. De fato, os países em desenvolvimento são responsáveis por mais da metade do crescimento global.

Porém, com demasiada frequência perdemos de vista o fato de que, no todo, esta situação oculta uma ampla série de resultados entre os países. Na África, cerca de um quarto dos países cresceu 7% ou mais no ano passado e vários deles figuram entre os de crescimento mais rápido do mundo. No Leste Asiático e Pacífico a produção expande-se rapidamente em meio a temores de superaquecimento e bolhas de ativos. No entanto, o ritmo de crescimento em vários dos principais países de renda média, entre os quais Brasil, Índia, Rússia e Turquia diminuiu devido, em parte, a estrangulamentos não resolvidos nessas economias.

Em outras partes do mundo em desenvolvimento a recuperação tem sido mais indefinida.

A diversidade de experiências entre os países em desenvolvimento significa que não há uma prescrição de “tamanho único” para políticas e o desenvolvimento externo já não pode mais ser considerado a principal fonte de problemas. Agora, mais do que nunca, é preciso encontrar soluções em políticas macroeconômicas e estruturais internas que enfoquem as diferentes condições de cada país.

Para pôr fim à extrema pobreza em uma geração precisamos que ocorram pelo menos três fatos. Primeiro, a alta taxa de crescimento no mundo em desenvolvimento dos últimos 15 anos deve ser acelerada.  Segundo, o crescimento tem de ser transformado em redução da pobreza e geração de empregos e deve ser inclusivo e combater a desigualdade. E terceiro, devemos evitar ou mitigar choques potenciais, tais como desastres climáticos ou novas crises de alimentos, combustíveis ou financeiras.

De modo especial, melhor desempenho no crescimento significa introduzir mais reformas como as que têm sustentado um sólido crescimento dos países em desenvolvimento nos últimos 15 anos. Isto significa eliminar estrangulamentos; investimento adicional na infraestrutura e, para assegurar que as pessoas de baixa renda participem dos benefícios do crescimento, investimentos muito maiores na educação e cuidados da saúde.

Ao avançarmos, precisamos também enfocar a mudança climática com um plano que acompanhe o alcance do problema. A mudança climática não é apenas um desafio ambiental. É uma ameaça fundamental para o desenvolvimento econômico. A menos que o mundo tome medidas ousadas agora, um planeta em aquecimento desastroso ameaça colocar a prosperidade fora do alcance de milhões de pessoas e retroceder décadas de desenvolvimento e de combate à pobreza.

No Grupo Banco Mundial estamos intensificando nosso trabalho em mitigação, adaptação e gestão de risco de desastres. Cerca de 130 países solicitaram a assistência do Banco Mundial em trabalhos relacionados ao clima.

Além disso, ao avançarmos nessas metas de combate à pobreza, devemos também ser muito mais eficientes nos Estados frágeis e em situação de conflito. Esperamos agora direcionar mais fundos para Estados frágeis no âmbito da Associação Internacional de Desenvolvimento, a AID, nosso fundo de empréstimos concessionários. Para atingirmos nossas metas de pôr fim à pobreza e aumentar a prosperidade compartilhada, devemos ter êxito nos Estados frágeis. No próximo mês, Ban Ki-moon, Secretário-Geral da ONU, e eu planejamos viajar no próximo mês à região dos Grandes Lagos da África. Estou convencido de que os esforços conjuntos das Nações Unidas e do Grupo Banco Mundial nas frentes de política, segurança e desenvolvimento podem fazer uma diferença significativa para tirar os Estados frágeis da situação de incerteza.

Muito obrigado. Passo agora a responder às suas perguntas.

 


Api
Api