Learn how the World Bank Group is helping countries with COVID-19 (coronavirus). Find Out

COMUNICADO À IMPRENSA

As economias da América Latina e do Caribe adotaram reformas para melhorar o ambiente regulatório de negocios, Guatemala está entre as 10 economias que mais melhoraram seus sistemas regulatórios.

28 de Outubro de 2013



Image

Washington, 29 de outubro de 2013— Mais de 50% das economias latino-americanas e caribenhas implementaram reformas no ano passado que facilitaram o ambiente regulatório de negócios, conclui um novo relatório da IFC e do Banco Mundial. Panamá, Guatemala, Jamaica e México destacam-se por terem efetuado reformas em pelo menos três das áreas regulatórias medidas pelo relatório.

As reformas mais comuns realizadas na região foram aquelas que facilitaram a abertura de empresas e o pagamento de impostos, segundo o relatório Doing Business 2014: Compreendendo a regulação para pequenas e médias empresas.

Regionalmente, a Colômbia é o país que mais implementou reformas regulatórias desde 2005—com 27 reformas. O país está entre as 20 economias globais que mais progrediram durante o período. Em termos de facilidade para fazer negócios, a Colômbia está na 43ª posição entre 189 economias mundiais. Entretanto, o Chile continua a liderar a região da América Latina e Caribe em termos de facilidade para fazer negócios, na 34ª posição do ranking geral. Guatemala, Peru, Costa Rica e México estão entre os 50 países que mais avançaram desde 2005.

"O ímpeto de reformas na região é muito encorajador. No ano passado, 17 economias da América Latina e do Caribe reformaram os seus ambientes regulatórios—o maior número dos últimos quatro anos— adotando boas práticas globais", informou Augusto Lopez-Claros, Diretor de Indicadores Globais e Análise do Grupo Banco Mundial. "Por exemplo, no Chile, várias reformas nos últimos cinco anos reduziram o tempo para se abrir uma empresa em Santiago de 27 dias para menos de seis. Outras boas práticas incluem a implementação gradual de um balcão único para facilitar o comércio na Colômbia e um novo regime de pagamentos projetado para lidar com os altos custos de conexão elétrica em Trinidad e Tobago".

A Guatemala está entre as 10 economias que mais tiveram melhorias em seus sistemas regulatórios em 2012/2013. O país criou um balcão único para obter alvarás de construção, introduziu um novo sistema de declaração e pagamento de impostos, e lançou uma plataforma online que permite a empresários registrar um novo negócio simultaneamente em diferentes agências governamentais.

A Cingapura lidera a classificação global sobre a facilidade para se fazer negócios. Na lista das 10 economias com as melhores regulações também se encontram Hong Kong RAE, China; Nova Zelândia; Estados Unidos; Dinamarca; Malásia; República da Coréia; Geórgia; Noruega; e o Reino Unido.

Além dos rankings mundiais, a cada ano o Doing Business identifica as economias que mais melhoraram seus indicadores desde o ano anterior. As 10 economias que lideram esta lista são (em ordem de desempenho):a Ucrânia; a Ruanda; a Federação Russa; a Filipinas; o Kosovo; o Djibouti; a Costa do Marfim; o Burundi; a Antiga República Juguslava da Macedônia; e a Guatemala. No entanto, os desafios ainda persistem: cinco dos países que mais melhoraram— Burundi, Costa do Marfim, Filipinas, e Ucrânia—permanecem na metade inferior da classificação geral de facilidade de se fazer negócios.

Sobre a série de relatórios Doing Business

O relatório Doing Business, realizado em conjunto pelo Banco Mundial e a IFC, analisa regulamentações aplicáveis às empresas durante seu ciclo de vida, incluindo sua constituição e operações, comércio exterior, pagamento de impostos, e resolução de insolvências. A classificação agregada da facilidade de se fazer negócios é baseada em 10 indicadores e cobre 189 economias. Doing Business não mede todos os aspectos do ambiente de negócios que são importantes para empresas e investidores. Por exemplo, o relatório não mede questões relativas à qualidade da gestão fiscal, outros aspectos da estabilidade macroeconômica, os níveis de qualificação de mão-de-obra, ou a solidez dos sistemas financeiros. Seus resultados têm estimulado debates sobre políticas em todo o mundo, e permitiram um crescente manancial de pesquisas sobre a relação entre regulamentações no nível das empresas e os resultados econômicos nas economias em geral. O relatório deste ano marca a 11ª edição da série global de relatórios Doing Business, e cobre 189 economias. Para mais informações sobre a série de relatórios Doing Business, visite o site doingbusiness.org e nos acompanhe em doingbusiness.org/Facebook.

Sobre o Grupo Banco Mundial

O Grupo Banco Mundial é uma das maiores fontes globais de financiamento e conhecimento para os países em desenvolvimento. O grupo é composto por de cinco instituições estreitamente associadas: o Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD); a Associação Internacional de Desenvolvimento (AID); a Corporação Financeira Internacional (IFC); a Agência Multilateral de Garantia de Investimentos (MIGA); e o Centro Internacional para Arbitragem de Disputas sobre Investimentos (ICSID). Cada uma dessas instituições desempenha um papel diferente na missão de combater a pobreza e melhorar os padrões de vida das pessoas no mundo em desenvolvimento. Para obter mais informações, favor consultar os websites www.worldbank.org, www.miga.org e www.ifc.org.

Contatos com a mídia:
Em Washington
Nadine Ghannam
tel : +1 (202) 473-3011
nsghannam@ifc.org
For Latin America and the Caribbean
Adriana Gomez
tel : +1 (202) 458-5204
agomez@ifc.org
Marcela Sanchez-Bender
tel : +1 (202) 473-5863
msanchezbender@worldbank.org


COMUNICADO À IMPRENSA Nº
2014/148/FPD

Api
Api