Esta página em:

REPORTAGEM

Povos do cerrado trabalham para proteger o bioma e superar a pobreza

30 de setembro de 2013

Jaylton Hycroh trabalha com processamento de cajus do cerrado: "As queimadas afetam as frutas, que dão alimento a tanta gente".

DESTAQUES
  • Atividades sustentáveis feitas por indígenas, quilombolas e outros povos tradicionais do cerrado serão financiadas pelo Banco Mundial e o Fundo de Investimentos do Clima (CIF).
  • Trata-se de um reconhecimento inédito dado ao esforço desses povos para evitar o desmatamento e preservar as espécies da região.
  • O cerrado é o segundo maior bioma brasileiro e um dos menos protegidos.

Mal o dia começa em Carolina (MA), Jaylton Hycroh, 23 anos, já está no batente. Aos poucos, ele traz caixas e mais caixas de caju a uma mesa. Nela, os frutos bons serão selecionados por ele e quatro colegas. Depois, os cajus serão processados até virar polpa congelada.

“Gosto desse trabalho porque, além de preservar as frutas do cerrado, dá uma fonte de renda aos moradores das aldeias indígenas”, conta ele. Hoje, 20% da matéria-prima processada na Fruta Sã – onde trabalha o jovem Krikati – vem desses povos.

O percentual poderia ser ainda maior (até 50%, segundo o gerente da fábrica, Geert Haveman), mas nem sempre as comunidades têm condições de extrair e transportar as frutas com segurança. “Os próprios Krikati deixam de mandar o açaí e o buriti coletados na aldeia porque não contam com freezer”, exemplifica Hycroh.

Medo da inadimplência

Cerca de 1.500km ao sul, em Montes Claros (MG), diversas comunidades tradicionais vivem do processamento da cana, da mandioca e de 18 frutos do cerrado.

Ali, os desafios são outros, mas igualmente grandes, como conta Braulino dos Santos, coordenador do Centro de Agricultura Alternativa do Norte de Minas. “Para serem vendidos, os produtos dessas comunidades recebem as mesmas exigências feitas aos industrializados, e o preço pago é menor.”

Ele acrescenta: “Como as comunidades tradicionais ainda não estão bem preparadas para receber financiamento público, muitas associações de produtores rurais têm dificuldade para prestar contas ou acabam contraindo dívidas impagáveis”.

Embora distantes, as histórias de Jailton Hycroh e Braulino Santos resumem o cotidiano de quem obtém emprego e renda com o uso sustentável do cerrado. Ainda assim, eles apostam em um cenário melhor para as comunidades locais.

Financiamento sob medida

Pela primeira vez, o Banco Mundial e o Fundo de Investimentos do Clima (CIF, na sigla em inglês) se uniram para financiar atividades de preservação do bioma. US$ 6,5 milhões (cerca de R$ 14 milhões) serão usados para isso, dos quais cerca de 70% vão diretamente para as mãos de comunidades tradicionais e indígenas.

Open Quotes

As comunidades querem muito saber como melhorar seus produtos e vendê-los para mais mercados. Close Quotes

Júlia Miras
Consultora do Banco Mundial

As opiniões ouvidas em três consultas públicas – a última delas, em setembro – ajudarão a dar forma ao projeto e fazer com que os recursos estejam disponíveis a quem realmente precise. “Eles só fazem a diferença quando usados para projetos pensados pelas comunidades”, explica Júlia Miras, consultora do Banco Mundial.

“Ainda não sabemos que atividades serão financiadas, mas as comunidades querem muito saber como melhorar seus produtos e vendê-los para mais mercados.”

O perigo das queimadas

Por meio da agricultura familiar, do extrativismo sustentável e do artesanato, as famílias a serem contempladas pela iniciativa ajudam a preservar um bioma presente em 22% do território brasileiro.

Mesmo reconhecido como a savana mais rica do mundo, o cerrado é um dos biomas menos protegidos do país: as unidades de conservação cobrem apenas 8,21% de suas terras. Além disso, 137 espécies da fauna estão ameaçadas de extinção, segundo o Ministério do Meio Ambiente.

O desmatamento, a produção de carvão e a ocupação desordenada não só geram conflitos sociais, mas também aumentam riscos e efeitos das mudanças climáticas no bioma. Solucionar esse último problema, por sinal, é um dos principais objetivos do novo projeto – e algo bem-vindo para quem vive na região e de suas riquezas.

“O cerrado em algumas áreas já está em desertificação por causa das queimadas. E o fogo também afeta as frutas, que dão alimento a tanta gente. Por isso é tão importante preservá-lo”, defende o jovem Jailton Hycroh antes de voltar à labuta.