COMUNICADO À IMPRENSA

Novo Programa Regional para proteger a Amazônia

21 de Outubro de 2015


O Projeto GEF impulsiona a ação climática

Washington, D.C., 21 de outubro de 2015 – O Global Environment Facility (GEF) Council (Conselho do Mecanismo Global para o Meio Ambiente) aprovou hoje um projeto de vários milhões de dólares, o primeiro do gênero, para ajudar a proteger mais de 80% da Amazônia e reforçar as iniciativas de combate à mudança do clima.

O GEF destinará US$ 113 milhões para o Programa Paisagens Sustentáveis da Amazônia, um programa regional que inclui o Brasil, a Colômbia e o Peru e que deverá alavancar US$ 682 milhões em financiamento adicional e estender-se por cinco anos.

O programa visa a manter 73.000.000 de hectares de terras florestais, promover a gestão sustentável da terra em 52.700 hectares e apoiar ações que ajudem a reduzir 300 milhões de toneladas das emissões de CO 2 até 2030. Será implementado pelo Banco Mundial como entidade principal, bem como pelo World Wildlife Fund (WWF) e pelo Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas (PNUD).

Pela primeira vez o programa adotará um enfoque integrado para proteger o ecossistema da Amazônia.  Protegerá uma biodiversidade globalmente significativa e reduzirá o impacto da mudança do clima mediante a implementação de políticas de promoção do uso da terra, gestão de áreas protegidas e restauração da cobertura de vegetação.

A Amazônia desempenha papel crítico na regulamentação climática global, bem como na prosperidade ambiental e econômica da região e é o maior repositório da biodiversidade do planeta,” afirmou Naoko Ishii, Diretor Executivo e Presidente do GEF. “Em conjunto, o Brasil, o Peru e a Colômbia são responsáveis por cerca de 83% da Bacia Amazônica nos respectivos territórios. Pela primeira vez os países e entidades parceiras preocupados se reuniram para formular um enfoque integrado e coordenado à gestão sustentável de um parcela significativa do ecossistema da Amazônia,” afirmou ela.

O Banco Mundial, como entidade principal de implementação, está totalmente comprometido a trabalhar com os países e entidades empenhados em aumentar a colaboração na aprendizagem e geração de capacidades para manter os recursos florestais, proteger a biodiversidade e melhorar a gestão florestal em paisagens críticas a fim de beneficiar a subsistência das pessoas e o bem-estar no longo prazo,” afirmou Paula Caballero, Diretora Sênior da Prática Global de Recursos Naturais do Banco Mundial.

Este Programa utiliza muitas décadas de trabalho na Amazônia por parte de governos, entidades multilaterais e bilaterais, ONGs, Organizações da Sociedade Civil (OSCs) e doadores privados.

Na quadragésima nona sessão do Conselho, os representantes do Brasil e da Colômbia expressaram o desejo de continuar a colaboração e comemoraram o progresso sem precedentes já alcançado pelo programa em termos da informação compartilhada entre os países.  

No Brasil nos últimos 10 anos reduzimos 82% do desmatamento da Amazônia. Reconhecemos 13% como terras indígenas e estabelecemos 27% das áreas protegidas,” afirmou Ana Cristina Barros, Secretária de Biodiversidade e Florestas do Ministério do Meio Ambiente do Brasil. “O livro da destruição está terminado. Baseando-nos nos sucessos anteriores estamos agora escrevendo uma linda história sobre a restauração das florestas com um final feliz.”

Nesse ínterim, a Colômbia lançou sua “Visión Amazonía,” tendo como objetivo a expansão do Parque Nacional Chiribiquete e a consolidação de sua zona tampão como parte de um programa mais amplo de redução do desmatamento.

A Colômbia está empenhada em estratégias de conectividade entre áreas de conservação e fortalecimento de interessados dos setores público, privado e comunitário visando à implementação de estratégias para promover a manutenção dos serviços de ecossistemas, conhecimentos tradicionais, desenvolvimento rural de baixo carbono e manutenção da paz que esperamos compartilhar com os outros países do programa e aprender do Brasil e do Peru,” afirmou a Senhorita Gaia Hernández Palacios, Chefe do Escritório de Assuntos Internacionais do Ministério do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Colômbia e Ponto Focal de Políticas do GEF.

O Peru, por sua vez, tem uma Estratégia Nacional para Florestas e Mudança do Clima que está enfrentando a redução do desmatamento e emissões de gases de efeito estufa (GHG).

As ameaças às florestas e rios da Amazônia relacionadas com os mercados de exportação, desenvolvimento da infraestrutura de transportes, atividades ilícitas, desigualdade social e pobreza estão crescendo. Somente por meio de uma sólida colaboração entre nossos três países poderemos esperar o êxito na preservação da biodiversidade e das florestas da Amazônia,” afirmou o Senhor Gustavo Suarez de Freitas, Coordenador do Programa Nacional de Conservação de Florestas do Ministério do Meio Ambiente do Peru.

O bioma da Amazônia é um depósito incrível de diversidade biológica com mais de 16.000 espécies de árvores conhecidas e 2.500 espécies de peixe. Embora a área seja predominantemente coberta de floresta tropical densa e úmida, as áreas menos extensas incluem savanas, florestas aluviais, pastagens, pantanais, bambuzais e florestas de palmeiras e, além disso, 14% da Amazônia são terras úmidas. Há cerca de 33 milhões de habitantes na bacia hidrográfica da Amazônia que tiram sua subsistência de rios e tributários, incluindo a pesca, um dos serviços mais importantes.

Contatos com a mídia:
World Bank
Aarthi Sivaraman
tel : +1 (202) 458-7206
asivaraman@worldbank.org
GEF
Robert Bisset
tel : +1 (202) 458-5191
rbisset@thegef.org


COMUNICADO À IMPRENSA Nº
2016/135/ENR

Api
Api