COMUNICADO À IMPRENSA 23 de abril de 2019

Preços do petróleo devem ser mais baixos em 2019 com crescimento global mais lento do que o esperado e suprimento em alta de países não pertencentes à OPEP

Os preços dos produtos metálicos e agrícolas devem apresentar uma recuperação parcial, com ganho de impulso em 2020

WASHINGTON, 23 de abril – A média de preços do petróleo bruto deve ficar em US$ 64 por barril em 2019 e US$ 65 por barril em 2020, uma revisão para baixo em relação à previsão de outubro, devido a perspectivas de crescimento global mais baixas do que o esperado e a produção dos EUA maior do que o esperado, segundo o Banco Mundial.

Os preços dos produtos metálicos em 2019 devem continuar a recuperação que se seguiu à queda acentuada na segunda metade de 2018, afirma o Banco Mundial na edição de abril de seu relatório Commodity Markets Outlook [Perspectivas dos Mercados de Commodity]. A recuperação foi estimulada pela estabilização da atividade econômica na China, após a debilidade observada na virada do ano, assim como diversos déficits de ofertas.

“Ficou claro que o ciclo dos preços das commodities chegou ao fim, o que causa dificuldades para os exportadores, mas pode oferecer oportunidades para os importadores”, disse Ceyla Pazarbasioglu, vice-presidente de Crescimento Equitativo, Finanças e Instituições do Banco Mundial. “Os exportadores podem ter que se adaptar a ganhos mais lentos das receitas de commodities com diversificação econômica, ao passo que os importadores podem tirar proveito dos preços mais baixos das commodities para aumentar o investimento.”

As projeções para os preços agrícolas indicam uma queda de 2,6% este ano, com recuperação em 2020  devido a uma produção agrícola mais baixa e custos mais altos de energia e fertilizantes. Uma escalada das tensões comerciais provavelmente reduziria os preços ainda mais, mas custos de energia mais altos do que o esperado poderiam elevar os preços mais do o esperado.

“As perspectivas para os preços das commodities são sensíveis a riscos relacionados com políticas, especialmente para o petróleo”, afirma Ayhan Kose, diretor do Prospects Group do Banco Mundial. “A perspectiva para o petróleo pode ser alterada se a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e seus parceiros estenderem os cortes de produção, o o grau de conformidade com decisões recentes de sancionar o Irã, e mudanças iminentes na regulamentação das emissões de combustíveis marinhos.”

Faça o download da edição de abril do Commodity Markets Outlook

Após a queda no fim de 2018, os preços do petróleo vêm subindo de forma constante desde o começo do ano, tendo em vista o corte de produção por parte da OPEP e seus parceiros e a redução da produção na Venezuela e no Irã. A produção de xisto dos EUA deve continuar robusta após o aumento acentuado de 2018. Em geral, os preços de energia – que também incluem gás natural e carvão mineral – devem ficar em média 7,9% mais baixos em 2019 do que em 2018.

Uma seção com foco especial mostra que, quando os países intervêm para atenuar o efeito de flutuações dos preços dos alimentos sobre seus cidadãos, a intervenção coletiva de muitos países pode produzir o efeito oposto ao pretendido e amplificar os movimentos nos preços mundiais – em detrimento das populações mais vulneráveis. 


COMUNICADO À IMPRENSA Nº 2019/151/EFI

Contactos

In Washington:
Mark Felsenthal
+1 (202) 458-0051
mfelsenthal@worldbank.org
For Broadcast Requests:
Huma Imtiaz
+1 (202) 473-2409
himtiaz@worldbank.org
Api
Api