Notícias

Esta página em:

COMUNICADO À IMPRENSA

O Turismo em África vai Dinamizar o Crescimento Económico, Criar Novos Postos de Trabalho e Ultrapassar outras Regiões em Novos Investimentos Turísticos

3 de outubro de 2013

WASHINGTON, 3 de Outubro, 2013 – A indústria de turismo da África Subsariana prepara-se para estimular maior crescimento económico no continente, e dar emprego directo a 6,7 milhões de pessoas até 2021, segundo um novo relatório do Banco Mundial hoje divulgado.

O relatório – Tourism in Africa: Harnessing Tourism for Growth and Improved Livelihoods (Turismo em África: Associar o Turismo a um Maior Crescimento e Melhores Condições de Vida) – refere que o turismo já era, directa ou indirectamente, responsável por um em cada 20 postos de trabalho na África Subsariana em 2011 e é uma das poucas indústrias no continente em que as mulheres estão bem representadas como trabalhadoras e gestoras. A África Subsariana está a ultrapassar outras regiões em crescimento do turismo.

O relatório examina o potencial dos países de África para melhorarem e expandirem o seu sector de turismo e sugere que 33 dos 48 países da África Subsariana têm actualmente capacidade para sucesso no turismo, estabelecendo um forte apoio político para desenvolver esta indústria e atraindo mais investimento privado para ajudar a financiá-la e sustentá-la.

O relatório cita exemplos bem-sucedidos de vários países, incluindo África do Sul, Cabo Verde, Maurícias, Namíbia, Quénia, Ruanda, Tanzânia e outros, que simplificaram as suas políticas de turismo, liberalizaram o transporte aéreo e diversificaram o turismo, protegendo simultaneamente as suas comunidades e o seu meio ambiente, o que criou um clima de investimento positivo para o desenvolvimento do turismo.

As empresas privadas de África estão a atrair cada vez mais investimentos regionais e internacionais e o retorno do investimento em África está entre os mais elevados do mundo” diz Makhtar Diop, Vice-presidente do Banco Mundial para África. “Em estreita aliança com o sector privado, os governos devem também contribuir com a sua parte, para criar melhores transportes, electricidade, infra-estruturas e outros serviços-chave para desenvolver o turismo e alcançar um crescimento de base mais alargada e melhores condições de vida.”

O turismo está a atrair cada vez mais investimento, regional e internacional, e o retorno dos investimentos no sector continua a cifrar-se entre os mais elevados do mundo. Cadeias de hotéis de nível global estão a expandir-se por toda a África, reconhecendo o seu potencial de investimento e aplicando milhões de dólares em novos projectos ao longo dos próximos anos, para dar resposta a uma procura tanto de turistas internacionais como da classe média em rápido crescimento do próprio continente.

Em 2012, África atraiu 33,8 milhões de visitantes, bem acima do reduzido número de 6,7 milhões em 1990, e as suas receitas do turismo para esse ano cifraram-se em mais de USD36 mil milhões, ou 2,8 por cento do PIB da região.

 Em 2011, o turismo global contribuiu 9,1 por cento para o PIB mundial, 5,9 por cento das exportações mundiais e 4,5 por cento do investimento global. As receitas de turismo de África estão a subir rapidamente e a caminho de contribuírem, cada vez mais, para a actividade mundial.

Se for desenvolvido com eficácia e gerido de forma eficiente ao longo do tempo, o turismo tem potencial para acelerar o crescimento económico de África e a criação de empregos. Pode também ajudar a acelerar as reformas que são necessária para melhorar os transportes aéreos e rodoviários, bem como outras infra-estruturas importantes, para além de aumentar os rendimentos dos jovens, de ambos os sexos, que constituem uma elevada percentagem de quem trabalha neste sector.

 “Para aqueles países africanos que procuram manter e aumentar o crescimento, o turismo pode ser mobilizado, através de esforços conjuntos dos sectores público e privado, para conseguir crescimento, criação de riqueza e prosperidade partilhada”, diz Gaiv Tata, Director do Banco Mundial para o Desenvolvimento Financeiro e do Sector Privado em África, cujo departamento elaborou o estudo.

Este relatório é o primeiro a analisar o turismo na África Subsariana de uma forma abrangente, a nível regional e a recomendar medidas práticas, com base em dados concretos, que poderão promover uma transformação económica, alavancando a indústria do turismo para ajudar a criar empregos, estancar a pobreza e diversificar economias.

Com a análise de 24 estudos de caso sobre turismo de todo o mundo, o relatório é uma valiosa e oportuna contribuição para os esforços para criar um enquadramento para o turismo sustentável em África. Identifica também políticas e abordagens institucionais para os países africanos tornarem a sua indústria de turismo mais competitiva e atraente para os investidores.

“Embora o potencial de turismo de África tenha sido até agora pouco aproveitado, podem agora tomar-se medidas para o aproximar de outras regiões” diz Hannah Messerli, co-autora do relatório e Especialista Sénior em Desenvolvimento do Sector Privado para a Região África do Banco Mundial.  E acrescenta: “Considerando os abundantes recursos, naturais e culturais do continente, bem como a actividade de negócios, estão criadas as condições fundamentais para o crescimento do turismo. Utilizando estratégias e exemplos apresentados neste relatório, África pode reclamar para si uma justa parte do turismo mundial.”

Contatos com a mídia:
COMUNICADO À IMPRENSA Nº
2014/106/AFR