Notícias

Esta página em:

REPORTAGEM

No Brasil, jovens apostam em trabalho e qualificação para superar a extrema pobreza

13 de junho de 2013

No Senac de Teresina (PI), jovens fazem curso pelo Pronatec: programa pretende formar 1 milhão de novos profissionais até 2014.

DESTAQUES DO ARTIGO
  • O trabalho é o principal responsável pela recente diminuição da pobreza no Brasil.
  • Brasil expande programas de qualificação profissional, intermediação de mão de obra e microcrédito para ajudar os mais pobres a conquistar empregos.
  • Essas são duas conclusões de uma recente conferência sobre inclusão produtiva.

Tarde em Teresina. Enquanto lá fora há calor e barulho, nas salas de aula do Senac Piauí, as centenas de alunos desfrutam de silêncio e do frescor do ar-condicionado. Muitos são atendidos pelo programa Bolsa Família, do governo federal.

Eles usam o benefício e programas complementares de qualificação para garantir um futuro melhor. “Sonho ir além, estudar, ter uma boa profissão”, diz Tamires Rodrigues, 17 anos. Ela e os colegas fazem bem, e por dois motivos.

Primeiro: o trabalho foi o maior responsável pela redução da extrema pobreza no Brasil na primeira década dos anos 2000. O dado é do Relatório de Desenvolvimento Global 2013 (i)

“Para que a redução de pobreza ocorra de forma sustentada, é crucial promover o acesso dos mais pobres a cursos de qualificação profissional, a serviços de intermediação de mão-de-obra e ao microcrédito”, reforça a economista Joana Silva, do Banco Mundial.

Ao conjunto de tais elementos dá-se o nome de inclusão produtiva. Ela, por sua vez, representa um dos eixos do plano Brasil Sem Miséria (2011), cuja meta é tirar 16 milhões de brasileiros da extrema pobreza até 2014.

Empregos precários

O segundo motivo pelo qual os jovens de baixa renda precisam apostar em formação profissional tem a ver com a precariedade dos empregos hoje conquistados por quem recebe o Bolsa Família.

Enquanto o mercado de trabalho no Brasil torna-se cada vez mais formal, o acesso dessas pessoas a tais empregos ainda é limitado, como mostra um estudo do pesquisador Alexandre Leichsering, da Universidade de São Paulo (USP).

Entre 2004 e 2007, apenas cerca de 10% dos beneficiários do programa Bolsa Família obtiveram em algum momento um trabalho formal. Desse total, metade perdeu esse vínculo um ano depois de assumir o posto.

Open Quotes

O Pronatec mostra que, quando se oferta formação de qualidade para a população de baixa renda e quando existe a participação da assistência social no processo de mobilização desse público, avanços muito importantes podem ser feitos. Close Quotes

Tiago Falcão
Secretário Extraordinário para a Superação da Extrema Pobreza, Ministério do Desenvolvimento Social (MDS).

Projeto de carreira

“A educação é primordial para que os mais pobres deixem de ter vínculos curtos e possam fazer um projeto de carreira”, explicou Leichsering durante o Seminário sobre Inclusão Produtiva, em Campinas (SP), promovido em maio pelo Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), Banco Mundial e Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

O Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), do Ministério da Educação (MEC), é um aliado desses jovens de baixa renda e preocupados com o futuro profissional.

“Ele oferece qualificação considerando o nível de escolaridade dessas pessoas, o perfil profissional que elas por acaso já tenham e as características econômicas de cada município”, explicou o secretário de educação tecnológica do MEC, Marco Antônio Oliveira, em Campinas.

Quando as aulas acabam, os estudantes são encaminhados para o mercado de trabalho. A ideia é que, até 2014, haja 1 milhão de novos profissionais qualificados em áreas como segurança do trabalho, construção civil, programação para a internet e turismo, entre outras.  

Acolhimento e orientação

Cada aluno que chega para fazer os cursos passa por uma fase de acolhimento igualmente importante para ajudar a planejar a vida profissional.

“Na matrícula, todos são orientados sobre o que podem fazer quando estiverem formados”, explicou em Campinas Felipe Morgado, diretor executivo do setor de educação tecnológica do Senai.

Essa orientação é útil até para quem pretende alçar novos voos, como a piauiense Tamires, que quer ser médica: “Sendo recepcionista de saúde, posso começar a me especializar”.  

Enquanto estudam para buscar a carreira dos sonhos e uma vida melhor que a dos pais, ela e os colegas também se tornam o motor de um país que quer crescer com sustentabilidade.